e-Library

Some publications that may be useful for the study of Cultural Networks.

Algumas publicações que podem ser úteis para o estudo das Redes Culturais.



Updated March 2018

Atualizado em Março de 2018



A

African Union Commission. (2006). Carta Da Renascença Cultural De África. [em linha] African Union Web Site.

African Union Commission. (2006). Plano de Acção de Nairobi sobre as Indústrias Culturais para o desenvolvimento de África. [em linha] African Union Web Site.

 Albornoz, L. A. (ed.). (2010). Revista Observatório Itaú Cultural. n. 9 [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Aliette, D. (Coord.). (2016). Boosting the competitiveness of cultural and creative industries for growth and jobs [em linha]. Publicações da EU Web site.

Alves, T. C., Rocha, F., Portela, P. & Ibiapina, D. (2016). Public service media and culture: music and film co-productions in Portugal and Brazil. Comunicação e Sociedade, 30, 387-404.

Andión, M. L. (2017). Comunicación, cultura, internacionalizaciónà volta do compromiso intelectual. In M. L. Martins (coord.), A internacionalização das comunidades lusófonas e ibero-americanas de ciências sociais e humanas – o caso das ciências da comunicação (pp. 89-101). Braga: Edições Húmus.

 Almeida, M. (2007, outubro). Mediação cultural e da informação: considerações socioculturais e políticas em torno de um conceito. Comunicação apresentada no VIII ENANCIB – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, Salvador Bahia, Brasil.

 Almeida, M. (2014). Políticas culturais e redes sociotécnicas: reconfigurando o espaço público. Ciências Sociais Unisinos, 50(1), 54-64.

 Alves, G. (2014). O impacto da cultura e qualidade do relacionamento na cooperação entre as empresas exportadoras e distribuidores locais. Tese de Doutoramento, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

 Alves, J. (2010). Parceiros em rede: estratégias territorializadas para o desenvolvimento local nas áreas do emprego e formação. Tese de Doutoramento, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

 Andrade, P. (2013, 06 de março). Importancia de las redes culturales o cómo no perderse en las telarañas de la red [Post em blogue].

 André, I. & Vale, M. (coord.) (2014). Fundos Estruturais e a Cultura no período 2000-2020 [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

 Araújo, E., Cogo, D. & Pinto, M. (Eds.). (2015). Comunicação e Sociedade. 28. Braga: CECS

 Arostegui, J., Ulldemolins, J. & Illa, S. (2014). El modelo español de financiación de las artes y la cultura en el contexto europeo crisis económica, cambio institucional, gobernanza y valor público de la cultura y la política cultural [em linha]. Fundación SGAE Web site.

Arsenault, M. & Castells, M. (2008). The Structure and Dynamics of Global Multi-Media Business Networks. International Journal of Communication, 2, 707–748.

 Aznar, J. P. (2014). ¿Sirven para algo las redes sociales en el sector cultural?. Anuario AC/e de Cultura Digital (pp. 101-112).


B

Baldissera, R. (2017). Comunicação Organizacional e imagem-conceito: sobre gestão de sentidos no ambiente digital. In T. Ruão, R. Neves & J. Zilmar (Eds.), A Comunicação Organizacional e os desafios tecnológicos: estudos sobre a influência tecnológica nos processos de comunicação nas organizações (pp. 71-87). Braga: CECS.

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2017). Dossiê – Políticas Culturais e Crise. Políticas Culturais em Revista. 10(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2016). Dossiê – Empreendedorismo e políticas culturais no Brasil contemporâneo. Políticas Culturais em Revista. 9(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2016). Dossiê – Organização, Política e Cultura. Políticas Culturais em Revista. 9(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2015). Dossiê –Estatísticas e indicadores culturais: breve panorama Latinoamericano. Políticas Culturais em Revista. 8(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2015). Dossiê – Políticas culturais na Ibero-América. Políticas Culturais em Revista. 8(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2014). Dossiê – Programa Cultura Viva. Políticas Culturais em Revista. 7(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2014). Dossiê – Planos de Cultura. Políticas Culturais em Revista. 7(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2013). Dossiê – Políticas de valorização do patrimônio cultural. Políticas Culturais em Revista. 6(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2013). Dossiê – Direitos Culturais. Políticas Culturais em Revista. 6(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2012). Políticas Culturais em Revista. 5(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2012). Políticas Culturais em Revista. 5(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2011). Dossiê – Cultura e Comunicação. Políticas Culturais em Revista. 4(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2011). Dossiê – Cultura e Educação. Políticas Culturais em Revista. 4(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2010). Dossiê – Cultura e Direito. Políticas Culturais em Revista. 3(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2010). Dossiê – Patrimônio Cultural e Memória. Políticas Culturais em Revista. 3(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2009). Dossiê – Cultura e Cidade. Políticas Culturais em Revista. 2(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2009). Dossiê – Cultura e Desenvolvimento. Políticas Culturais em Revista. 2(1).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2008). Dossiê – Planos de Cultura. Políticas Culturais em Revista. 1(2).

Barbalho, A., Barros, J. M., Costa, L. & Rocha, R. (Eds.). (2008). Dossiê – Conselho de Cultura. Políticas Culturais em Revista. 1(1).

Barbalho, A. (2007, maio). Políticas culturais no brasil: identidade e diversidade sem diferença. Comunicação apresentada no III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Salvador Bahia, Brasil.

Berg, H. C. (coord.) (2010) O sistema produtivo da cultura en Galicia, unha visión económica. Santiago de Compostela: Observatorio da Cultura Galega. Consello da Cultura Galega. [e-Book].

Bernardes, J., Oliveira, L. & Moreira, R. (coord.) (2014). Património e Território [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Barros, J. M. (2014). “Enlaces entre cultura, comunicação e educação nas políticas públicas brasileiras”. In Moisés de Lemos Martins & Madalena Oliveira (ed.), Comunicação ibero-americana: os desafios da Internacionalização (pp. 2844-2852). Braga: CECS.

Bezerra, J. (2012). Quando o popular encontra a política cultural: a discursividade da cultura popular nos Pontos de Cultura “Fortaleza do Maracatos” “Cortejos Culturais  do Ancori” e “Boi Ceará”. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual do Ceará, Ceará, Brasil.

 Botelho, I. (ed.). (2011). Revista Observatório Itaú Cultural. n. 12 [em linha]. Itaú Cultural Web site.

 Branco, J. (2010). Ascensão e queda de uma cultura popular. Anthropológicas, 14(21:1), 13-38.

Brun, J., Tejero, J. & Ledo, P. (2008). Redes culturales. Claves para sobrevivir en la globalización. Madrid: Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo. [e-Book].

Bundt, R. (2011). Cinema, Mercado e política cultural: os casos do Brasil e México numa visão Histórico Estrutural. Tese de Doutoramento, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Burity, J. (1997). Cultura e identidade no campo religioso. Estudos Sociedade e Agricultura, 9, 137-177.


C

Camacho, C. (2014). Na senda das redes: caminhos e descaminhos da museologia no Portugal democrático. Revista da Faculdade de Letras Ciências e Técnicas Património, XIII, 249-259.

Camacho, M. (2014). Credenciação, sistemas e redes nacionais de museus: uma panorâmica europeia contemporânea. Tese de Doutoramento, Universidade de Évora, Évora, Portugal.

Campos, J. & Baptista, M. M. (2014). A Análise de Conteúdo: Uma Investigação sobre Políticas Públicas da Cultura. In Zara Pinto-Coelho & Nelson Zagalo, Comunicação e Cultura. III Jornadas Doutorais, Ciências da Comunicação e Estudos Culturais (pp. 63-76). Braga: CECS.

Campos, R. (2010). Juventude e visualidade no mundo contemporâneo: uma reflexão em torno da imagem nas culturas juvenis. Sociologia, Problemas e Práticas, 63, 113-137.

 Canclini, N. G. (2008). Leitores, Espectadores e Internautas [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Canedo, D. (2009, maio). Cultura é o quê?” – reflexões sobre o conceito de cultura e a atuação dos poderes públicos. Comunicação apresentada no V ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Salvador Bahia, Brasil.

Carrilho, M. M. (2013). O Ministério da Cultura. Um balanço…e perspetivas depois do seu fim. Revista Lusófona de Estudos Culturais, 1(1), 161-171.

Carvalho, I., Baptista, M. & Costa, C. (2010). As Redes em Turismo Cultural: Um olhar sobre a relação entre Turismo e Cultura. Turismo & Desenvolvimento, 13, 29-38.

Casacuberta, D. & Mestres, A. (2006, julho). Redes Culturales: una introducción. Portal Iberoamericano de Gestión Cultural, Boletín GC: Gestión Cultural, 14: Redes culturales.

Casaqui, V. (2014). Ideias portuguesas para mudar o mundo: projetos de empreendimentos sociais, cultura e espírito do tempo. In Moisés de Lemos Martins & Madalena Oliveira (ed.), Comunicação ibero-americana: os desafios da Internacionalização (pp. 1699 -1707). Braga: CECS.

 Castells, M. & Monge, M. (2011). Prologue to the Special Section: Network Multidimensionality in the Digital Age. International Journal of Communication, 5, 788–793.

Castells, M. (2000). Materials for an Explanatory Theory of the Network Society. British Journal of Sociology, 51(1), 5-24.

Castells, M. (2001). Materiales para una teoría preliminar sobre la sociedad de redes. Revista de Educación, [No. Extra 1], 41-58.

Castells, M. (2001, 12 de dezembro). European unification in the era of the network state. OpenDemocracy.

Castells, M. (2007). Communication, Power and Counter-power in the Network Society. International Journal of Communication, 1, 238-266.

Castells, M. (2008). The new public sphere: global civil society, communication networks, and global governance. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, 616(1), 78-93.

Castells, M. (2008, janeiro-março). Comunicación, poder y contrapoder en la sociedad red (I). Los medios y la política. TELOS: Cuadernos de comunicación e innovación, 74.

Castells, M. (2008, abril-junho). Comunicación, poder y contrapoder en la sociedad red (II). Los nuevos espacios de la comunicación. TELOS: Cuadernos de comunicación e innovación, 75.

Castells, M. (2008, outubro-dezembro). Creatividad, innovación y cultura digital: un mapa de sus interacciones. TELOS: Cuadernos de comunicación e innovación, 77.

Castells, M. (2011). A Network Theory of Power. International Journal of Communication, 5, 773–787.

Castells, M. (2011). Globalisation, Networking, Urbanisation: Reflections on the Spatial Dynamics of the Information Age. Urban Studies Journal , 47(13), 2737–2745.

Castells, M. (2012, setembro). El poder en la era de las redes sociales. Nexos en línea.

Castro, G. (2012). Entretenimento, Sociabilidade e Consumo nas Redes Sociais: cativando o consumidor-fã. Revista Fronteiras – estudos midiáticos 14(2), 133-140.

Centeno, M. (2009). A política cultural em Portugal na entrada do novo século. Comunicação apresentada no 6º Congresso SOPCOM, Lisboa, Portugal.

 Coelho, T. (2008). A cultura e seu contrário: Cultura, arte e política pós-2001 [em linha]. Itaú Cultural Web site.

 Coelho, T. (2008). A Cultura pela cidade [em linha]. Itaú Cultural Web site.

 Coelho, T. (2015). Com o cérebro na mão. No século que gosta de si mesmo [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Comunidade Autónoma do País Basco. (2012). Creación en red y redes culturales. País Basco: Servicio Central de Publicaciones del Gobierno Basco.

Conde, I. (1989). Mecenato cultural. Arte, política e sociedade. Sociologia, Problemas e Práticas, 7, 107-131.

Conde, I. (1997). Cenários de práticas culturais em Portugal (1979-1995). Sociologia, Problemas e Práticas, 23, 117-188.

Conde, I. (2008). Contrasting narratives: Art and culture in the public sphere. [e-Working Paper].

Conde, I. (2011). Individuals, biography and cultural spaces: new figurations. [e-Working Paper].

Contier A. (2013). O nacional na música erudita brasileira: Mário de Andrade e a questão da identidade cultural. ArtCultura, 15(27), 105-119.

Conselho da União Europeia. (2017). Conclusões  do  Conselho  sobre  uma  abordagem  estratégica  da  UE  no  domínio  das  relações culturais internacionais [em linha]. Publicações da EU Web site.

 Costa, A., Machado, F. & Almeida, J. (1990). Estudantes e amigos: trajetórias de classe e redes de sociabilidade. Análise Social, XXV, 193-221.

Costa, P. (2001). The cultural activities cluster in Portugal: trends and perspectives. [e-Working Paper].

Costa, P. (2005). Intra-metropolitan location of cultural activities: some policy implications from the Lisbon case study. [e-Working Paper].

Costa, P. (2010). Cultural activities, innovative milieus and urban policies: a comparison of two districts in the city of Lisbon. [e-Working Paper].

Costa, P. Borges, Vera & Graça, S. (2013). Artistic work and structural organization of theater groups in Lisbon area. Five empirical standpoints to inform public policies. [e-Working Paper].

Costa, P., Vasconcelos, B. & Sugahara, G. (2011). The urban milieu and the genesis of creativity in cultural activities: an introductory framework for the analysis of urban creative dynamics. Cidades, Comunidades e Territórios, 22, 3-21.

Costa, S. (2010). (Re) encontrando-se nas redes? As ciências humanas e a nova geopolítica do conhecimento. Estudos de Sociologia, 2(16), 25–43.

 Council of Europe. (2016). Indicator Framework on Culture and Democracy. Policy Maker’s Guidebook. Council of Europe. [e-Book].

Cruz, L. (2014). A casa da criatividade de S. João da Madeira: um exemplo de revitalização local. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Cunha, L. (2012). O impacto da cultura e sociedade europeias em Timor-Leste: aspectos de transculturação e de globalização. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

 Cuzziol, M. (ed.). (2015-2016). Revista Observatório Itaú Cultural. n. 19 [em linha]. Itaú Cultural Web site.


D

Delgado, C. (2013). O impacto da cultura na formação de alianças empresariais: o caso dos empresários donos de micro e pequenas empresas de Cabo Verde. Tese de Doutoramento, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Delicado, A. (2006). Os museus e a promoção da cultura científica em Portugal. Sociologia, Problemas e Práticas, 51, 53-72.

Dinis, T. (2009). Marketing de eventos. Experimentadesign: cultura, projecto e negócio. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Domingos, M. (2009). Gestão da cultura pelas chefias intermédias: estudo de caso de uma entidade pública empresarial – OPART. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Dorneles, P. (2011). Identidades inventivas: territorialidades na rede cultura viva na região Sul. Tese de Doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Dornelesa, P. & Lopes, R. (2016). Cidadania e diversidade cultural na pauta das políticas culturais. Cadernos Terapia Ocupacional, 24(1), 173-183.

Duarte, M. (2008). Standards culturais: Brasil x Portugal. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.


E

Education, Audiovisual and Culture Executive Agency. (2016). Creative Europe Networks [em linha]. European Commission Web site.

 Eidelman, J.; Roustan, M.; Goldstein, B. (org.). (2014). O lugar do público. Sobre o uso de estudos e pesquisas pelos museus [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Espíndola, E. (2014). Cultura y desarrollo económico en Iberoamérica. Madrid: Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura. [e-Book].

European Commission Directorate-General for Education and Culture. (2017). Study on audience development: final report. [em linha]. European Commission Web site.

European Commission Directorate-General for Education and Culture. (2016). Cultural awareness and expression handbook [em linha]. European Commission Web site.

European Commission Directorate-General for Education and Culture. (2015). European Capitals of Culture: 30 years of achievements [em linha]. European Commission Web site.

European Commission Directorate-General for Education and Culture. (2013). Study on the impact of the EU Prizes for culture [em linha]. European Commission Web site.

European Institute for Comparative Cultural Research. (2008). Mobility Matters. Programmes and Schemes to Support the Mobility of Artists and Cultural Professionals. Final Report [em linha]. Mobility Matters Web site.

European Parliament. (2001). Report on cultural cooperation in the European Union. Final Report [em linha]. European Parliament Web site.

Extremeño, A., Amante, M. & Costa, A. (2013). La Universidad del siglo XXI: nueva docencia, nuevo bibliotecario. Revista española de Documentación Científica, 36(2), en005.


F

Faria, N. (2008). Ver… Pensar…Fazer…Políticas Culturais para um Portugal Criativo [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Fernandes, N. (2013). A política cultural à época da ditadura militar. Contemporânea, 3(1), 173-192.

Fernández Bravo, A. (2009, 18 a 20 de maio). Redes culturales: El latinoamericanismo y sus bordes.  Comunicação apresentada no VII Congreso Internacional Orbis Tertius de Teoría y Crítica Literaria, Universidad Nacional de La Plata, Argentina.

Fernández, X. M. B. (coord.) (2007) As políticas culturais nas sete principais cidades galegas. Santiago de Compostela: Observatorio da Cultura Galega. Consello da Cultura Galega. [e-Book].

Ferreira, R. (2014). Regulando a cultura: o impacto da regulação da internet na cultura e na criatividade. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Filho, J. (2010). Política Cultural na Educação Superior: os casos das Universidades Federal e do Estado do Amapá – UNIFAP E UEAP. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual do Ceará, Ceará Brasil.

Folque, A. (coord.) (2013). O Provedor de Justiça: Património e direitos culturais edição. Lisboa: Provedor de Justiça – divisão de documentação. [e-Book].

Fortuna, C. (coord.) (2014). Cultura, Emprego e Cidadania [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Freitas, R. (2013, Junho). The culture and development agenda in Lusophone Africa in Lisbon. Comunicação apresentada no ECAS, 5th European Conference on African Studies “African Dynamics in Multipolar World”.

Fuchs, S. (2009). The Behavior of Cultural Networks. Soziale Systeme, 15, 345-366.


G

Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais (2014). Apoios financeiros atribuídos pelos serviços da Cultura no triénio 2010-2012 [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Gama, M. & Sousa, H. (Eds.). (2017). Contributos do Congresso Internacional “Redes de Cooperação Cultural Transnacionais: Um olhar sobre a realidade lusófona”. Braga: CECS.

Gama, M. (2016). http://www.culturalcooperationnetworks. wordpress.com: Um projeto de investigação e a sua plataforma de divulgação. In Z. Pinto-Coelho; N. Zagalo & T. Ruão (Eds.), Comunicação, Culturas e Estratégias. IV Jornadas Doutorais Comunicação e Estudos Culturais (pp. 195-217). Braga: CECS.

Gama, M. (2014). Cultura de redes culturais: o estado das redes do estado. Comunicação apresentada no VIII Congresso Português de Sociologia, Universidade de Évora, Portugal.

Gama, M. (2014). Viagem na companhia do Sr. Deschuyfeleere. In Moisés de Lemos Martins & Madalena Oliveira (ed.), Comunicação ibero-americana: os desafios da Internacionalização (pp. 2835-2843). Braga: CECS.

Gama, M. (2013). Políticas Culturais: Um olhar transversal pela janela-ecrã de Serralves. Tese de Doutoramento, Universidade do Minho, Braga.

Garcia, J. (coord.) (2014). Mapear os recursos, levantamento da legislação, caracterização dos atores, comparação internacional [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

 Garets, F. T. (2014). As Metrópoles Regionais e a Cultura. O caso francês, 1945-2000 [em linha]. Itaú Cultural Web site.

 Gaspar, J. & Barroso, S. (coord.) (2014). E-Coesão [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

 Gentil, G. & Poirrier, P. (org.). (2012). Cultura e Estado. A política cultural na França, 1955-2005 [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Gómez, F. J., Lemos, M. & Sierra, F. (Coord.). (2008). Comunicación y desarollo cultural en la península ibérica. Retos de la sociedad de la información. Actas del III Congreso Ibérico de Comunicación. Sevilla: Secretariado de Publicaciones de la Universidad de Sevilla.

 Greffe, X. (2013). Arte e Mercado [em linha]. Itaú Cultural Web site.

 Greffe, X. (2015). A Economia Artisticamente Criativa [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Gusmão, M. (2010). Dez anos de indigência da política cultural – A urgência da mudança. Seara Nova, 1712.


H

Hawkes, J. (2001). The fourth pillar of sustainability Culture’s essential role in public planning [em linha]. Cultural Development Network Web site.

Hogeschool vor de Kunsten Utrech. (2010). The Entrepreneurial Dimension of the Cultural and Creative Industries [em linha]. Hogeschool vor de Kunsten Utrech Web site.


I

 Instituto Nacional de Estatística (2016). Conta Satélite da Cultura – 2010-2012. notas metodológicas [em linha]. Instituto Nacional de Estatística Web site.


J

Joaquim, I. (2015). Organizações «inter-artes»: inovação ou reinvenção? O caso da cooperativa de comunicação e cultura. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Joseph, K. & Carley, K. (2014). Culture, Networks, Twitter and foursquare: Testing a Model of Cultural Conversion with Social Media Data [em linha]. Carnegie Mellon School of Computer Science Web site.


K

Kancel, J., Itty, J. Weill, M. & Durieux, B. (2013). Rapport: L’ apport de la culture à l’economie en France [em linha]. Le portail de l’Économie et des Finances Web site.

 KEA. (2006). The economy of culture in Europe [em linha]. K European Affairs Web site.

KEA. (2009). The impact of Culture on Creativity [em linha]. K European Affairs Web site.

KEA. (2015). Feasibility study on data collection and analysis in the cultural and creative sectors in the EU [em linha]. K European Affairs Web site.


L

 Laacksonen, A. (2016). D’Art Report 49 International Culture Networks. International Federation of Arts Councils and Culture Agencies. [em linha]. IFACCA Web site.

 Lacasta, A. A. (coord.). (2009). Redes de Museos en Iberoamérica Propuestas para la articulación y el fortalecimiento de las instituciones museísticas en el espacio iberoamericano. Ministerio de Cultura de España. [em linha]. Ibermuseus Web site.

 Leadbetter, C. & O’Connor, N. (2013). Healthy attendance? The impact of cultural engagement and sports participation on health and satisfaction with life in Scotland [em linha]. Scottish Government Publications Web site.

Lind, M. & Minichbauer, R. (ed.) (2005). European Cultural Policies 2015: a report with Scenarios on the Future of Public Funding for Contemporary Art in Europe [em linha]. European Institute for Progressive Cultural Policies Web site.

Little, P. (2002). Etnodesenvolvimento local: autonomia cultural na era do neoliberalismo global. Revista Tellus, 2(3), 33-52.

Lloveras, E., Martínez, R., Piazuelo, C. & Rowan, J. (2008). Innovación en Cultura. Una Aproximación Crítica a la Genealogía y Usos del Concepto [em linha]. Traficantes de Sueños Web site.

Lopes, J. (2005). Reflexões sobre o arbitrário cultural e a violência simbólica: os novos manuais de civilidade no campo cultural. Sociologia, Problemas e Práticas, 49, 43-51.

Lopes, J. J. (2001). A resistência da cultura aos media. Para o fim do paradigma sociológico nos estudos de comunicação. Comunicação e Sociedade, 3, 257-269.

Loureiro, C. & Callou, A. (2007). Extensão rural e desenvolvimento com sustentabilidade cultural: o Ponto de Cultura no Sertão Pernambucano (Brasil). Interações, Revista Internacional de Desenvolvimento Local, 8(2), 213-221.

Lourenço, V. (2002). Impacto e receptividade do Programa Cultura 2000 em Portugal: Relatório Final [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Lyon Ville Durable. Charte de Coopération Culturelle 2017-2020. (2017). [em linha]. Culture.Lyon.fr Web Site.


M

 Maffesoli, M. (2010). Saturação [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Maguire, J. & Matthews, J. (2012). Are we all cultural intermediaries now? An introduction to cultural intermediaries in context. European Journal of Cultural Studies, 15(5), 551 –562.

Mairink, R. (2014). SESC – o livre acesso à cultura na cidade de São Paulo. Cidades, Comunidades e Territórios, 28, 88-102.

Mairink, R. & Martins, M. L. (2012). A Dimensão Estética das Indústrias Culturais: Processos de Mediação na Estruturação dos Mercados Criativos. In Z. Pinto-Coelho & J. Fidalgo (eds.), Sobre Comunicação e Cultura: I Jornadas de Doutorandos em Ciências da Comunicação e Estudos Culturais (pp. 37-53). Braga: CECS.

Mangano, S. & Sekhar, A.(eds.) (2016). Cities: Living Labs for Culture?: case studies from Asia and Europe. Singapore: Asia-Europe Foundation. [e-Book].

 Marchesi, Álvaro (coord.). (2012). Avanzar en la construcción de un espacio cultural compartido. Desarrollo de la Carta Cultural Iberoamericana [em linha]. Madrid: Organización de Estados Iberoamericanos Para la Educación, la Ciencia y la Cultura.

Marmeleira, J. (2012). Presenças da cultura pop na arte contemporânea portuguesa. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Martinho, T. (2011). Mediação cultural: alguns dos seus agentes. Tese de Doutoramento, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Martins, F. E. M. (2001). Nietzsche e a fábula do mundo em rede. Comunicação e Sociedade, 3, 251-255.

Martins, M. L., Baptista, M. M. & Gama, M. (Eds.). (2014). Revista Lusófona de Estudos Culturais. 2(2). Braga e Aveiro: Universidade do Minho e Universidade de Aveiro.

Martins, M. L. (2011). Crise no Castelo da Cultura. Das Estrelas para os Ecrãs. Braga: Grácio Editor.

Mata-Machado, B. (2013). A instituição conselho e a democracia: na história do brasil e no conselho nacional de política cultural. Comunicação apresentada no VI Congresso Consad de Gestão Pública, Centro de Convenções Ulysses Guimarães, Brasília.

Mateus, A. (coord.) (2010). O Sector Cultural e Criativo em Portugal: versão integral [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Mauritti, R. & Martins, S. (2014). Consumos de classe média num Portugal em crise: cultura, lazeres e tecnologias de informação. Sociologias, 16(37), 144-175.

 Mazzilli, M. (ed.). (2007). Revista Observatório Itaú Cultural. n. 1 [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Medeiros, A. (2013). Políticas públicas e organizações culturais: o caso do programa Cultura Viva. Dissertação de Mestrado, Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas, São Paulo, Brasil.

Menger, P. (2010). GRIPS Discussion Paper 10-28. Cultural Policies in Europe.  From a State to a City-Centered Perspective on Cultural Generativity [em linha]. GRIPS Policy Research Center Web site.

 Meyer-Bisch, P. & Bidault, M. (2014). Afirmar os Direitos Culturais. Comentário à Declaração de Friburgo [em linha]. Itaú Cultural Web site.

Miller, T. (2011). Cidadania cultural. Matrizes, 4(2), 57-74.

Minichbauer, R. & Mitterdorfer, E. (2000). European Cultural Networks and Networking in Central and Eastern Europe [em linha]. European Institute for Progressive Cultural Policies Web site.

Mokre, M. (2006). European Cultural Policies and European Democracy [em linha]. European Institute for Progressive Cultural Policies Web site.

Morató, A. (2012). El análisis de la política cultural en perspectiva sociológica. Claves introductorias al estudio del caso español.  Revista de Investigaciones Políticas y Sociológicas, 11(3), 15-38.

Moreira, R. (2003). Cultura, política e o mundo rural na contemporaneidade. Estudos Sociedade e Agricultura, 20, 113-143.

Murraças, F. (2008). A Relevância da Cultura na Competitividade Nacional: O Caso da Marca Portugal. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.


N

Naves, D. (2014). Artista e a música na sociedade cultural digital, evolução dos direitos performativos em Portugal. Tese de Doutoramento, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Neves, B. (2015). As práticas culturais expressivas e criativas em contexto associativo. o caso do Orfeão Universitário do Porto. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Neves, J. & Lima, M. (2009). Promoção da Leitura nas Bibliotecas Públicas [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Neves, J. & Santos, J. (2006). Os museus em Portugal no período 2000-2005: dinâmicas e tendências [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Neves, J. & Santos, J. (2010). Edição e comercialização de livros em Portugal: empresas, volume de negócios e emprego [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

 Neves, J. (2015). Cultura de leitura e classe leitora em Portugal. Sociologia, Problemas e Práticas, 78, 67-86.

 Neves, J., Lima, M. & Borges, V. (2008). Práticas de Promoção da Leitura nos Países da OCDE [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Nuere, C. O. & Peris, I. V. (2013). Novos desafios para a investigação sobre cultura: Prioridades de investigação no domínio cultural da EU. Revista Lusófona de Estudos Culturais, 1(2), 49-69.


O

Oliveira, E. (2014). Comunicação Organizacional e Relações Públicas: Uma questão terminológica ou campos distintos? A questão da Comunicação Estratégica. In Ruão, T.; Freias, R.; Ribeiro, P. & Salgado, P. (eds), Comunicação Organizacional e Relações Públicas: horizontes e perspetivas. Relatório de um debate (pp. 51 -57). Braga: CECS.

Oliveira, M. (2017). Associações científicas da ideia de rede ao ideal de comunidade. In M. L. Martins (coord.), A internacionalização das comunidades lusófonas e ibero-americanas de ciências sociais e humanas – o caso das ciências da comunicação (pp. 231-246). Braga: Edições Húmus.

Oliveira, N. (2013). Lógicas de produção da interculturalidade: repertórios da diversidade cultural em espaços urbanos comparados. [e-Working paper].

Organización de Estados Iberoamericanos Para la Educación, la Ciencia y la Cultura. (2006). Carta Cultural Iberoamericana [em linha]. Culturas Iberoamericanas Web site.

 Ospino, L. P. O. (2017). Contas-Satélites de Cultura, aposta e proposta ibero-americana para as estatísticas culturais no mundo. Revista Observatório Itaú Cultural. n. 23. p. 93-118. [em linha]. Itaú Cultural Web site.


P

Pacheco, R. (2017). Projetos europeus e internacionais de literacia fílmica implementados em Portugal. In S. Pereira & M. Pinto (Eds.), Literacia, Media e Cidadania – Livro de Atas do 4.º Congresso (pp. 399-409). Braga: CECS.

Palumbo, R. & Giannotti, R. H. (2014). Discurso político e poder: a internacionalização do Brasil e da Língua Portuguesa. In Moisés de Lemos Martins & Madalena Oliveira (ed.), Comunicação ibero-americana: os desafios da Internacionalização (pp. 1244 -1252). Braga: CECS.

Pasikowska-Schnass, M. (2017). Access to culture in the European Union [em linha]. Publicações da EU Web site.

Pedreira, I. (2013). Estudantes da CPLP no ensino superior em Portugal: tendências de evolução e perfis sociais. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Pereira, M. (2007). Cultura e Cidade: prática e política cultural na São Paulo do século XX. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, Brasil.

Pestel, M. (2013). Reinventar o lugar da cultura: apresentação de alguns lugares culturais e artísticos inovadores. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

 Pinto-Coelho, Z. (coord.). (2005). Comunicação e Sociedade. 8. Braga: CECS

 Pires, H., Mota-Ribeiro, S. & Beyaert-Geslin, A. (Eds.). (2017). Comunicação e Sociedade. 31. Braga: CECS

 Polácek, R. (2007). Study on Impediments to Mobility in the EU Live Performance Sector and on Possible Solution [em linha]. Performing Arts Employers Associations League Europe Web site.

Polo, M. (2015). Governo, sociedade civil e os desafios na publicação de dados abertos: o caso da base de dados do programa nacional de apoio à cultura no Brasil. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Ponte, C. & Silva, D. S. (2017). Tornar público o conhecimento científico, comunicar a cidade pelo jornalismo cultural digital. In S. Pereira & M. Pinto (Eds.), Literacia, Media e Cidadania – Livro de Atas do 4.º Congresso (pp. 447-460). Braga: CECS.

Porto Business School. (2013). Impacto Económico da Fundação de Serralves no âmbito do Projeto Improvisações/Colaborações [em linha]. Fundação de Serralves Web site.

Portoles, J. (2016). Culture and Disability: Policies and Practices in Asia and Europe. Singapore: Asia-Europe Foundation. [e-Book].

 Pretto, N. & Silveira, S. (Orgs.) (2008). Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia. [e-Book].

Primo, J. (2007). A Museologia e as Políticas Culturais Europeias: o caso Português. Tese de Doutoramento, Universidade Portucalense Infante D. Henrique, Porto, Portugal.


R

Ramos, A. (2015). Cultura e diversidade parental: projeto de intervenção junto de famílias multidesafiadas de contextos interculturais. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

 Rampton, J., Carlberg, M., Voldere, I. & Coen, A. (2017). Contribution of the Creative Europe Programme to fostering creativity and skills development in the audiovisual sector [em linha]. Publicações da EU Web site.

Rebelo, J., Correia, L. & Cristóvão, A. (2007). Redes culturais e desenvolvimento local: a experiência da Comum. Estudos Regionais, 15, 21-40.

Renaisi. (2017). Evaluation of the Cultural Citizens Programme pilot: Overall report [em linha]. Arts Council England Web site.

Ribeiro, G. (2003). Cultura, direitos humanos e poder: mais além do império e dos humanos direitos: por um universalismo heteroglóssico. Série Antropologia, 340, 1-16.

Ribeiro, D. (2007). Políticas culturais públicas para as artes visuais: o caso do Fumproarte em Porto Alegre. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Riquelme, F. (2012). Redes culturales. Un intercambio internacional para la descentralizacion del arte y la equidad cultural en chile. Dissertação de Mestrado, Universidade do Chile, Santiago, Chile.

Rocha, F. (2017). A relação entre Portugal e Brasil na coprodução cinematográfica. Políticas, experiências e desafios. In R. Ribeiro, V. de Sousa & S. Khan (Eds.), A Europa no mundo e o mundo na Europa: crise e identidade. Livro de atas (pp. 123-135). Braga: CECS.

Rocha, M. A. (2001). A identidade cultural na era da globalização – o papel do Direito de Autor. Comunicação e Sociedade, 3, 271-281.

 Rodrigues, E. (2008). Ciência, cultura e sociedade: Algumas reflexões em torno da noção de cultura científica. [e-Working Paper].

Rowan, J. (2010). Emprendizajes en cultura. Discursos instituciones y contradicciones de la empresarialidad cultural [em linha]. Traficantes de Sueños Web site.

Rozier, E. & Van Leeuwen, R. (2013). Migration and Multi-Cultural Societies: opportunities and challenges. Singapore: Asia-Europe Foundation. [eBook].

Ruão, T. (2016). A organização comunicativa: teoria e prática em Comunicação Organizacional. Braga: CECS – Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Universidade do Minho.

Ruão, T. & Kunsch, M. (Eds.). (2014). Comunicação e Sociedade. 26. Braga: CECS

 Rubim, A. (2013). Políticas culturais do governo Lula. Revista Lusófona de Estudos Culturais, 1(1), 224-242.

Rubim, A., Pitombo, M. & Rubim, I. (2005). Políticas e Redes de Intercâmbio e Cooperação em Cultura no Âmbito Ibero-Americano.


S

Sá, R. (2015). Portuguese cultural standards from the Indian perspective. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Sacco, P. (2011). Culture 3.0: A new perspective for the EU 2014-2020 structural funds programming [em linha]. Interarts Web site.

Saillant, F. (2017). Diversity, Dialogue and Sharing…. Online resources for a more resourceful world. França: UNESCO.

Salvatierra, S. (s.d.). El tercer sector en la cultura:  redes, asociaciones, organizaciones [em linha]. Red Cultural Mercosur Web site.

Santos, H. (2011). Políticas culturais e inteligência colectiva. Contemporânea, 9(1), 36-45.

Santos, J. (2009). Rede Portuguesa de Museus: as formas de articulação e cooperação inter-museus. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Santos, M., Oliveira, J. & Conde, I. (1990). Arte e media. Indústria ou cultura? (As Noites de Sociologia). Sociologia, Problemas e Práticas, 8, 163-174.

Santos, S. (2008). Imagens da Cidade Planeada. A diversidade cultural e o pensamento estratégico urbano de Lisboa. Sociologia, Problemas e Práticas, 57, 131-151.

Santos, T. (2012). Práticas culturais de estrangeiros residentes no concelho de Cascais. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Saquet, M. & Mondardo, M. (2008). A construção de territórios na migração por meio de redes de relações sociais. Nera, 13(11), 118-127.

 Saravia, E. (ed.). (2015). Revista Observatório Itaú Cultural. n. 18 [em linha]. Itaú Cultural Web site.

 Secretariado Mundial de CGLU (coord.). (s.d.). A cooperação descentralizada para democratizar a cidade. Projeto de melhoria das capacidades de autoridades locais de Brasil e Moçambique como actores da Cooperação Descentralizada. [em linha]. Cidades e Governos Locais Unidos Web site.

Semensato, C. (2015). O surgimento dos Observatórios de Cultura e de Políticas Culturais: Reflexões inicias para construção de tipologias. pragMATIZES, 8, 55-66.

Sieck, W. (2010).  Cultural network analysis: Method and application [em linha]. Global Cognition Web site.

Silva, A. (1997). Cultura: Das obrigações do Estado à participação civil. Sociologia, Problemas e Práticas, 23, 37-48.

Silva, A., Babo, E. & Guerra, P. (2015). Políticas culturais locais: contributos para um modelo de análise. Sociologia, Problemas e Práticas, 78, 105-124.

Silva, A. S. & Ribeiro, M. J. (2013). O serviço público de comunicação social como recurso da política cultural. A experiência portuguesa, 2002-2012. Revista Lusófona de Estudos Culturais, 1(1), 183-205.

Silva, E. (2011). Cultura e liderança em Moçambique. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Silva, J. (2015). A dimensão cultural da política externa da União Europeia no período pós Maastricht. Dissertação de Mestrado, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Silva, P. (2011). A língua e a cultura portuguesas a Oriente: análise ao caso de Macau. Tese de Doutoramento, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Silva, R. & Gonzaga, M. (2005, 8 e 9 de setembro). Redes Culturais em Territórios Urbanos. Comunicação apresentada no V Encontro dos Núcleos de Pesquisa do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

 Silva, R. (2012). Políticas culturais em cidades turísticas brasileiras: um estudo sobre as técnicas de vida contemporânea. Tese de Doutoramento, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil.

Soares, C., Bordoy, F. & Fialho, M. (eds.) (2016). Redes culturais nos primórdios da Europa: 2400 anos da fundação da Academia de Platão. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. [e-Book].

Sousa, J. & Geraldes, E. (2014). A Lei de Acesso à informação no Brasil, Portugal e Espanha: uso da internet, transparência e cidadania. In Moisés de Lemos Martins & Madalena Oliveira (ed.), Comunicação ibero-americana: os desafios da Internacionalização (pp. 2827-2834). Braga: CECS.

Staines, J. & Mercer, C. (2013). Mapping of Cultural and Creative Industry Export and Internationalisation Strategies in UE Member States EENC Report [em linha]. Interarts Web site.

Staines, J. (1996). Network solutions for cultural cooperation in Europe: a document drafted by Judith Staines for The European Forum for the Arts and Heritage [em linha]. Creative Ideas Bank Web site.

Szaniecki, B. & Silva, R. (s.d.). Políticas culturais vivas: raízes e redes do Movimento Enraizados. Fundação Casa de Rui Barbosa [em linha]. Fundação casa de Rui Barbosa Web site.


T

Tavares, J. (coord.). (2014). Cultura e Desenvolvimento [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Tavares, S. (2014). Cultura e bem-estar: o desafio da integração. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 14(2), vi-x.

Tomaz, E. (2013). Políticas de desenvolvimento e cultura em pequenas e médias cidades europeias: Questões metodológicas na análise comparativa de estudos de caso. [e-Working Paper].

 Tolila, P. (2007). Cultura e Economia. Problemas, hipóteses, pistas [em linha]. Itaú Cultural Web site.

transform (ed.) (2008).  Producción cultural y prácticas instituyentes. Líneas de ruptura en la crítica institucional [em linha]. Traficantes de Sueños Web site.


U

Ulldemolins, R., Morató, A. & Illa, S. (2012). El sistema de la política cultural en Cataluña: un proceso inacabado de articulación y racionalización. Revista de Investigaciones Políticas y Sociológicas, 11(3), 173-204.

UNCTAD/UNDP. (2010). Creative Economy Report 2010. Switzerland: United Nations Conference on Trade and Development.

UNDP/UNESCO. (2013). Creative Economy Report 2013 – Special Edition – Widening Local Development Pathways. New York: United Nations Development Programme.

 UNESCO. (2005). La Convention de 2005 sur la Protection et la Promotion de la Diversité des Expressions Culturelles [em linha]. UNESCO Web site.

 UNESCO. (2016). Basic Texts. of the 2003 Convention for  the Safeguarding of the  Intangible Cultural Heritage [em linha]. UNESCO Web site.

 UNESCO. (2016). Diálogos Post-2015. Sobre Cultura y Desarrollo [em linha]. UNESCO Web site.

 UNESCO. (2016). Culture Urban Future. Global report on culture for sustainable urban development [em linha]. UNESCO Web site.

Universidade do Minho. (2013). Impactos Económicos e Sociais da Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura: Relatório final. Braga: Universidade do Minho.


V

Vanspauwen, B. (2014). Cultural ambassadors with a cause: migrant musicians from lusophone Africa in Lisbon. Comunicação apresentada na 5th European Conference on African Studies “African Dynamics in Multipolar World”.

Vaz, C. (2013). A educação, os jovens e o mercado de trabalho artístico-cultural em Portugal: o desafio. Dissertação de Mestrado, ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Veiga, F. (coord.). (2014). Cooperação Territorial e Cultura [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Viegas, J. (1986). Associativismo e dinâmica cultural. Sociologia, Problemas e Práticas, 1, 103-121.

Vieira, P. A., Sousa, H. & Balonas, S. (2016). Comunicação estratégica em contexto intercultural: desafios da utilização de um estudo de caso. In Z. Pinto-Coelho; N. Zagalo & T. Ruão (Eds.), Comunicação, Culturas e Estratégias. IV Jornadas Doutorais Comunicação e Estudos Culturais (pp. 219-238). Braga: CECS.

Villaça, M. (2016). Aproximações e tensões entre o ICAIC e a política cultural em Cuba. IdeAs [Online], 7.

Vitorino, N. (coord.). (2014). Criação de Instrumentos Financeiros para Financiamento do Investimento na Cultura, Património e Indústrias Culturais e Criativas [em linha]. Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais Web site.

Vitório, B. S. (2000). Língua e identidade. Estudo de comunicação comparada sobre a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). Comunicação e Sociedade, 2, 393-429.

Vogliotti, A. (2007). La enseñanza en la escuela: entre la igualdad y la diversidad. Un enfoque desde la Pedagogía de la política cultural. Praxis Educativa,  11, 84-94.


Y

Yúdice, G. (2003, 05 a 09 de maio). Sistemas y redes culturales: ¿cómo y para qué?. Comunicação apresentada no Simposio Internacional: “Políticas culturales urbanas: Experiencias europeas y americanas”, Instituto Distrital de Cultura y Turismo, Bogotá, Colombia.


Z

Zagalo, N. & Branco, P. (Eds.). (2012). Comunicação e Sociedade. 22. Braga: CECS

Zó, R. (2013). La literatura comparada y las redes culturales latino-americanas. Anos 90, Porto Alegre, 20(37), 37-62.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s